Cadastre-se aqui para receber artigos semanais e ganhe meu ebook!   ASSINAR              


PODCASTS

Media Training e Comunicação Pessoal | Aurea Regina de Sá

Relatório para Deise

BAIXE SEU RELATÓRIO AQUI.

ENTREVISTA 1:

– Você foi perspicaz ao NÃO dizer que não tem o número de pessoas contratadas por ano e falou sobre o cenário geral. Esse é o caminho, porque na verdade não interessa quantos são contratados por ano. Perceba que aqui você conduziu a entrevista e não foi totalmente sincera. Se tivesse dito totalmente a verdade poderia ter falado: ‘não temos o número de contratações feitas anualmente, mas eu posso dizer que o MSF tem x pessoas em projetos e tal’. Esse tipo de resposta (totalmente sincera) mostra que o profissional não tem conhecimento ou não quer dizer o número real. Parabéns pelo caminho escolhido!

– Em vez de backoffice, talvez seja interessante dizer: bastidores ou apoio.
Ah, e você se esqueceu dos jornalistas…rsrs

– Na pergunta sobre CRITÉRIOS PARA CONTRATAÇÃO, percebi uma movimentação corporal maior, você até deu um passinho pra trás. Sugiro deixar a orientação de que o telespectador deve pesquisar os critérios no site para o final da fala e destacar alguns pontos do perfil. Então, você pode dizer: ‘existe um perfil comportamento, uma disponibilidade e a necessidade de falar idiomas, além de outros requisitos que estão no site msf ponto org ponto beérre’. Evite dizer www, porque ocupa tempo e é desnecessário. (na tv, eu usaria essa resposta a partir de 1’.17”. O que está antes disso, não vale e pode passar a ideia de: ‘vá lá no site e procure’.)

– Na pergunta sobre SALÁRIO, eu já começo afirmando que não é bom. Perceba a ligeira demora em responder e a falta do olho no olho. Mesmo que a pergunta seja desafiadora, olhe pra repórter. Pode dizer diretamente: ‘o maior atrativo de quem nos procura é….’

– A gesticulação está natural e o não verbal do rosto não compromete o que você fala.

– A velocidade da fala é dinâmica. Experimente dar mais ênfase em algumas palavras de destaque.

ENTREVISTA 2:

–  Perceba a movimentação corporal e os olhos estatelados para responder a maioria das  perguntas. Relaxe! Você sabe o conteúdo. Observe a ansiedade que pode aparecer num momento em que você representa a instituição e quer fazer isso da melhor forma para dirigir a sua emoção e não deixar que ela tome conta de você.

– Sugiro não entrar no mérito de que o MSF não é contra nem a favor do aborto. Esse início, mostra que você quis responder a minha pergunta. Lembre-se: não responda diretamente a minha pergunta se isso não for interessante, construa a sua resposta para tirar proveito da imagem na entrevista. Foi bom ter justificado que quando o aborto acontece em condições não recomendadas, isso causa sofrimento e morte, e aqui poderiam entrar os dados de 25 milhões de complicações, 5 milhões de mortes e etc. Lembre-se de dar os dados localizados: 25 milhões de tal coisa por ano, em todo o mundo (ou nos países em que o MSF atende – verificar esse dado).

– Na pergunta sobre INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO, você apresentou o que MSF já faz nesse sentido e não entrou no mérito de que uma coisa exclui a outra (muito bom). Perceba a sua movimentação corporal enquanto eu perguntava. Procure ficar parada e só movimentar braços e mãos.

–   Na pergunta sobre redução das DOAÇÕES, você abre dizendo que isso pode acontecer por parte de um determinado doador. Eu não entraria nesse aspecto. Procure enfatizar O QUE É e não O QUE NÃO É. Em vez de dizer que não é um posicionamento político, reforce que é um posicionamento médico, que preza pela vida de mulheres que correm risco de morte ao optarem pelo aborto inseguro. Insira os dados que provam isso. Você não está dando uma opinião sobre isso, existem dados para provar. Bom ter citado o grupo de doadores que conhecem e entendem a postura da organização, mas pra eles você não vai precisar argumentar. O seu desafio está em argumentar para os que discordam, então, nesse caso, reforce a questão da saúde.

– Deixei a gravação na íntegra até o final para você ver a cara que fez. Evite. Já pensou se fosse ao vivo? O telespectador poderia pensar: ela está insegura e não deve ter falado a verdade.

AUREA REGINA DE SÁ

Jornalista e Coach de Comunicação, especializada em Media Training.

Saiba mais

Podcast FALA MALDITA

Aurea na imprensa