Susan,

Gostaria que refletisse sobre o texto abaixo:

SÍNDROME DO IMPOSTOR

A síndrome ou fenômeno do impostor foi identificada pela psicóloga norte-americana Pauline Clance, na década de 70. Trata-se do sentimento de não se achar bom o suficiente, não é bonita ou inteligente o suficiente para ocupar um determinado status social/profissional, o que gera um intenso sofrimento, por causa da ansiedade e do estresse. Ao supervalorizar as fraquezas, essas pessoas sentem dificuldade de se sentir merecedoras de qualquer sucesso que possam ter, e esperam o momento que sua incompetência será descoberta. É a sensação de ser uma FRAUDE.

As características principais dessa síndrome são:

  • Desempenho profissional diferente do esperado:  pessoas com a síndrome costumam ou fazer mais do que o esperado, se esforçando demasiada e desesperadamente para driblarem as limitações que acreditam ter; ou fazem menos, na tentativa de evitarem a constatação, diante do fracasso que para elas é inevitável, de que são realmente incompetentes;
  • Procrastinação: há um esforço inconsciente para se livrar/ distanciar da angústia de se engajar em uma atividade que levará ao “inevitável” fracasso. Dessa forma, essas pessoas perdem os prazos e sentem-se “travadas” na criatividade e iniciativa;
  • Fuga de exposição: o pior cenário para quem se sente impostor é a exposição. Pelo medo do julgamento e da crítica, essas pessoas procuram ficar sempre em uma posição de discrição, mesmo em situações que sejam relacionadas com o reconhecimento de seus trabalhos, como  por exemplo, a oportunidade de apresentarem um grande ideia em uma reunião.
  • Uso excessivo da carisma: por acreditarem que não estão no cargo por competência, essas pessoas sentem a necessidade de agradar a todos no trabalho, sujeitando-se inclusive a situações de humilhação.

EXERCÍCIO:

Convido você a refletir sobre isso e, caso se identifique, reverta cada situação, imaginando como se sentiria caso fosse diferente.

CONVITES PARA DESAFIOS DA MENTE:

A. Toda vez que algum pensamento negativo aparecer, você pode fazer dois movimentos:
– Tirar o pensamento da mente (como faz ao virar a página no tablet). Isso vira automático;
– Questionar o pensamento dizendo:

‘Mente, o que você pretende ao me dizer que não vou conseguir? Eu sei que você quer o meu bem e pretende evitar que eu passe alguma situação constrangedora; eu acho isso legítimo e agradeço por seu cuidado (não brigue com a mente!), mas eu tenho uma proposta pra você: quero que me assista sem interferências para ver do que eu sou capaz. Você duvida que eu seja capaz? Então, vou te mostrar o que posso fazer, vou te mostrar que posso brilhar e te surpreender’.

Esse diálogo te coloca na condução da mente e não o contrário. Ao impedir que ela te conduza, com essa proposta de parceria com ela, você se sentirá mais autoconfiante e dono da situação.

B. Substituição dos pensamentos negativos por POSITIVOS:
Toda vez que perceber um pensamento INCAPACITANTE visitando a sua mente, substitua-o na hora por um pensamento PRÓSPERO.  Force-se a fazer isso, mesmo que a princípio não concorde muito. Para mudar um hábito, é preciso persistência! 🙂

C. Crie cenários positivos. Todos os dias tire uns minutos para produzir filmes na sua mente sobre o que deseja como resultados na vida. Você pode fazer isso enquanto estiver no trânsito, por exemplo. Imagine-se num palco ou à frente de um grupo numa sala de reuniões e crie cenas de como está se comportando, repare no semblante positivo das pessoas que te assistem, perceba os sentimentos que te visitam e recolha os resultados de tudo isso. Use a sua criatividade para criar um filme muito próspero.

Mantenha todas essas reflexões VIVAS na sua mente todo o tempo.

PRÓXIMA SESSÃO: 28/08, às 17h.